Museu das Favelas anuncia exposição itinerante "Favela em Fluxo"

14/05/2024 13h26


Museu das Favelas anuncia exposição itinerante

Foto: Nego Júnior / Divulgação / Museu das Favelas
 
O Museu das Favelas, instituição da Secretaria da Cultura, Economia e Indústria Criativas do Estado de São Paulo, anuncia "Favela em Fluxo", sua primeira exposição itinerante. A mostra, de 14/05 até 14/07, fica em cartaz no Paço do Frevo, em Recife, espaço que, assim como o Museu das Favelas, é gerido pelo IDG - Instituto de Desenvolvimento e Gestão. De lá, segue para Solar Ferrão (Salvador), Museu da Maré (Rio de Janeiro) e, por fim, volta a São Paulo, na própria sede do Museu, localizado no Palácio dos Campos Elíseos. 
 
A iniciativa combina experiências artísticas e interativas, convidando o público a uma jornada de trocas culturais e conhecimento sobre o presente para inspirar novas possibilidades de futuros. 
 
"Com a exposição 'Favela em Fluxo', o Museu das Favelas abre portas para a democratização cultural, impulsionando o reconhecimento e valorização das expressões artísticas das comunidades brasileiras", afirma a secretária da Cultura, Economia e Indústria Criativas do Estado de São Paulo, Marília Marton.
 
A curadoria é formada por Aline Bispo, multiartista visual, ilustradora e curadora independente; Leonardo Moraes, pianista, pesquisador, educador e curador em formação; Rebecca França, historiadora, curadora e diretora de arte; e José Eduardo Ferreira Santos, pesquisador e curador do Acervo da Laje. 
 
Rebecca França conta que a exposição evidencia os fazeres culturais das periferias brasileiras. "Quando entendemos a favela como nosso ponto de partida, ela torna-se nosso território de aquilombamento e sapiência. Esse território é guerreiro quando precisa ser um guerreiro; também é o recuo se a luta não é necessária. Isso fundamenta a continuidade de vida. Favela é espaço e tempo para construir infâncias comunitárias, coletivas, brincantes... É lugar de resgate dos nossos antecessores, mas também fomento das nossas descendências. Essa exposição trata dessas re(existências), dessas re(apropriações) e de muitas outras", destaca.
 
A exposição evidencia obras de 22 artistas de favela e periféricos, proporcionando uma experiência imersiva. Apresenta também dados importantes sobre as favelas brasileiras e convida os visitantes a compartilharem ideias sobre os futuros das favelas por meio de ferramentas interativas e debates. O público poderá conhecer a produção artística em variados suportes, como esculturas, vídeos, telas, fotografia, ilustrações e pinturas.   
 
Entre os artistas confirmados, apresentando trabalhos de destaque, estão: em Recife, Vitória Vatroi, Nomes, Lua Barral, Cigana e Francisco Mesquita; em Salvador, Mila Souza, Uiler Costa Santos, Fernando Queiroz, Zaca Oliveira e Elson Júnior; no Rio de Janeiro, Jade Maria Zimbra, Abarte Junior, Gael Affonso, Wallace Lino e Deize Tigrona; e em São Paulo, Robinho Santana, Janaína Vieira, Mayara Amaral, ABSURDO (Wadjla Tuany), Pétala, Mc Mano Feu e Luiza Fazio.
 
Essa é a primeira itinerância realizada entre equipamentos geridos pelo Instituto de Desenvolvimento e Gestão (IDG), que faz a gestão de centros culturais públicos de grande importância para o país e programas ambientais. Atualmente, é o gestor do Museu do Amanhã e do Museu do Jardim Botânico, no Rio de Janeiro, Museu das Favelas, em São Paulo, e do Paço do Frevo, no Recife. 
 
"A itinerância desta exposição é fruto de uma poderosa colaboração entre iniciativas públicas e privadas em prol da diversificação da economia, viabilizada pela Lei Rouanet, o mais eficiente instrumento de financiamento público da cultura. Ao possibilitar projetos culturais, a lei contribui para estimular a produção cultural  brasileira em suas diversas manifestações, promovendo a inclusão e democratização do acesso à arte e à cultura", conta Ricardo Piquet, diretor-geral do IDG.
 
Para Natália Cunha, diretora do Museu das Favelas, a exposição é uma aliança em prol da transformação social. "Nosso objetivo é desafiar estereótipos e promover o reconhecimento genuíno das potencialidades das favelas, transformando fluxos depreciativos em movimentos de ressignificação e progresso. Juntos, estamos construindo uma nova narrativa, onde o fluxo das favelas se torna a rota primordial para uma cidade mais equitativa e vibrante", destaca. 
 
"Para nós, é uma alegria imensa receber Favela em Fluxo, exposição que evidencia a efervescência criativa das favelas. Seguimos na certeza de que a cultura é o melhor diálogo para aproximar e ressignificar os territórios de periferias e centros", complementa Luciana Félix, diretora do Paço do Frevo.
 
Guilherme Vieira, diretor de ESG do Nubank, finaliza: "Acreditamos firmemente que a transformação social começa com a valorização da cultura e a garantia de que diferentes perspectivas da mesma sociedade tenham o seu protagonismo. Estamos muito animados por fazer parte desse projeto, que impulsiona talentos e territórios diversos, além de posicionar a cultura como agente protagonista de transformação e inclusão".
 
A exposição conta com o patrocínio master do Nubank, por meio da Lei de Incentivo Federal à Cultura - Lei Rouanet.
 
Serviço | Exposição Favela em Fluxo 
 
Paço do Frevo | Recife - PE
 
Abertura: 14 de maio - 19h
 
Entrada Gratuita
 
Em cartaz:
 
De 14 de maio a 14 de julho
 
De terça a sexta, das 10h às 17h
 
Sábado e Domingo, das 11h às 18h
 
Entrada: R$10 e R$5 (meia)
Endereço: Praça do Arsenal da Marinha, s.n 
 
Ingressos antecipados ou diretamente na bilheteria
 
A entrada é gratuita às terças-feiras.

Fonte: Com informações de A. Bianco