Da Rússia, reflexões sobre educação online em tempo de pandemia

09/07/2020

Por: Andrezza Tavares (IFRN) & Francinaide Silva (IFRN)
Foto: Dr. Sergey G. Korkonosenko (Universidade de São Petersburgo / Rússia)

“Da RÚSSIA, reflexões sobre educação online em tempo de pandemia”.

Entrevista com Sergey G. Korkonosenko, diretamente de São Petersburgo, na Rússia, Euroásia, sobre a configuração da educação no enfrentamento da pandemia do Covid-19. O entrevistado é Doutor e Professor do Departamento de Teoria do Jornalismo e Comunicação de Massa da Universidade de São Petersburgo (Rússia). Na entrevista ao jornal Potiguar Notícias o distinto pesquisador fala sobre a Rússia nos contextos econômico, político e social, destinando atenção especial à descrição sobre o campo da educação no período pandêmico. A entrevista, realizada integralmente no idioma inglês (conforme segue no final), foi traduzida para a língua portuguesa pelos pesquisadores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) Dra. Francinaide Silva e Mstd. Alanderson Nascimento, integrantes do Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional (PPGEP). Ao desfecho da entrevista, o Prof. Dr. Sergey G. Korkonosenko realça que a pandemia conduziu para o isolamento físico dos países e de pessoas, mas, ao mesmo tempo, ajudou no aumento do entendimento mútuo entre elas, tornando possível, inclusive,  relações próximas como este contato entre Brasil e Rússia a partir da pauta do jornalismo de educação.

 

1. Qual o formato da educação virtual adotada no ensino superior da Rússia a partir da Pandemia do covid-19?

É claro, não há um formato único para um país tão grande. Cada universidade foi forçada a urgentemente procurar suas próprias soluções, iniciada em março. Para uma comunicação mais pessoal com os estudantes, as plataformas mais usadas foram Zoom e Moodle, todavia, instituições com capacidades técnicas mais avançadas, desenvolveram suas próprias plataformas. O banco de leituras online tornou-se mais popular que antes, mas ainda se apresentou insuficiente para cobrir todas as disciplinas acadêmicas. As especialidades que requisitavam um número máximo de aulas práticas estiveram em situação de maior dificuldade. Entre elas estavam, por exemplo, artes, medicina, jornalismo, engenharias e tecnologias, e outras. Entretanto, é difícil encontrar qualquer especialidade onde uma educação virtual involuntária pudesse ser um benefício, do ponto de vista de professores e estudantes.

2. Considerando os aspectos social, econômico e ambiental da Rússia, destacadamente no contexto da pandemia, qual a expectativa sobre o futuro do país?

A pandemia causou danos significativos à economia dos países, e neste ponto, a esfera social tem também sofrido. O aumento do desemprego, o fechamento de lojas (exceto lojas de alimentos) e serviços, queda nas demandas para pequenos negócios, produtos e o colapso do turismo são consequências padrão em todo o país. A economia russa tem sido fortemente impactada pelas recorrentes quedas no preço do petróleo. Essa peculiaridade da situação na Rússia foi o que fez o Estado ter acumulado uma sólida reserva financeira em forma de Fundo Nacional de Riquezas. Reservas foram formadas principalmente de receitas do gás e da indústria do óleo. Em junho, o Fundo contabilizou 10% do GDP, o correspondente a mais de 170 bilhões de dólares. O Ministério de Finanças da Rússia acredita que o Fundo durará até 2024. Foi desta reserva que o Estado deu suporte aos negócios e assistência aos cidadãos. Desde o começo da pandemia, famílias com crianças pequenas, especialmente com pais desempregados, tem recebido significativo aporte financeiro;  depois o pagamento iniciou para todos os jovens abaixo de 16 anos. Em todo tempo altos salários têm sido estabelecidos para médicos e trabalhadores sociais que estão em contato com pessoas doentes. Uma quantidade enorme de dinheiro tem sido gasto em construções e reformas médicas facilitadas. Impostos e outros benefícios foram concedidos a negócios com responsabilidade social. Esta e outras medidas drásticas tem mitigado os efeitos negativos da pandemia, que poderiam por sua vez terem sido catastróficos. A administração do país acredita que as perdas são relativamente pequenas. Mas a saída da crise envolve uma mudança na estratégia de desenvolvimento, nomeadamente uma afiada ativação de avanço intelectual, tecnológico e industrial.

3. Na Rússia as dificuldades econômicas e sociais também afetaram os alunos do ensino em 2020?

Talvez a única dificuldade significativa para os estudantes foi o custo das relações de trabalho em rede com suas universidades. Desde sempre os comparecimentos foram cancelados em muitos casos, muitos estudantes deixaram suas cidades de moradia e países, particularmente a China. Professores receberam seus salários, então não houve cortes de servidores, e estudantes receberam suas cargas de trabalho, ajustadas por comunicação à distância.

4. Quais as políticas educacionais que as instituições de ensino têm recebido diante das contingências provocadas pela pandemia na Rússia?

Muitos princípios podem ser mencionados nessa área. Primeiro, um certo foco na continuidade do processo de aprendizagem sem interrupções ou paradas. Segundo, as autoridades federais deram às regiões e universidades o direito de escolher suas próprias estratégias e formas de trabalho. Adequadamente, uma variedade heterogênea apareceu. Terceiro, métodos interativos foram dados como prioridade, para compensar a extensa lacuna da comunicação direta. Quarto, medidas foram tomadas para proteger as vidas e saúde dos estudantes e servidores o máximo possível. Para esta proposta, sessões presenciais, encontros e cerimônias foram convertidos para um formato online. Portanto, as defesas de trabalho de graduação foram mantidas à distância, sem importar como seria difícil de organizar isso.

5. Uma mensagem de desfecho para esta entrevista que será compartilhada com a sociedade brasileira?

A pandemia conduziu para o isolamento físico dos países e pessoas. Ao mesmo tempo, isso ajudou no aumento do entendimento mútuo entre elas. Se um grande infortúnio tem acontecido em seu país, você simpatiza pelas pessoas dos demais continentes que estão em dificuldade semelhante, e você sabe por si mesmo como isso é difícil para eles. O dito refere-se diretamente às relações entre Brasil e Rússia. Este mútuo entendimento deve ser mantido quando nós superarmos o curso pandêmico.

Nota: Esta entrevista publicada no Portal de Jornalismo Potiguar Notícias integra o repertório de publicações do Projeto pluri-institucional intitulado “Diálogos sobre Capital Cultural e Práxis do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) - IV EDIÇÃO”. O Projeto, vinculado à Diretoria de Extensão (DIREX) do campus IFRN Natal Central e ao Programa de Pós-Graduação Acadêmica em Educação Profissional PPGEP do IFRN, articula práxis do campo epistêmico da Educação a partir de atividades de ensino, pesquisa, extensão, inovação e internacionalização com o campo da comunicação social a partir da dinâmica de produções jornalísticas por meio de diversos canais de diálogo social como: portal de jornal eletrônico, TV web, TV aberta, rádio e redes sociais. O objetivo do referido Projeto de Extensão do IFRN é socializar ideias e práxis colaboradoras da educação de qualidade social, de desenvolvimento humano e social por meio da veiculação de notícias em dispositivos de amplo alcance e difusão de comunicação social. Para mais informações sobre o Projeto contacte a coordenadora: andrezza.tavares@ifrn.edu.br.  

------

Entrevista original, em inglês

Interview     

From Russia, reflections about online education in time of Pandemic

Name: Sergey G. Korkonosenko

Institution: Universidade de São Petersburgo (Russia)

Formation: Doutor e Professor do Departamento de Teoria do Jornalismo e Comunicação de Massa

Translation: Francinaide Silva e Alanderson Nascimento

Journalist Brazil: Andrezza Tavares

1. What is the format of virtual education adopted in higher education in Russia after the covid-19 Pandemic?

Of course, there was no single format for such a huge country. Each University was forced to urgently search for its own solutions, starting in March. For personal communication with students, the popular Zoom and Moodle programs were most often used, although advanced technical schools developed their own platforms. The bank of online lectures became more popular than before, but it could not in the least cover the entire range of academic disciplines. Those specialties that require the maximum number of practical classes were in the most difficult situation. Among them were, for example, arts, medicine, journalism, engineers and technologists, and others. However, it is difficult to find any specialties for which involuntary virtual education would be a boon, from the point of view of teachers and students.

2. Considering the social, economic and environmental aspects of Russia, especially in the context of the pandemic, what is the expectation about the country's future?

The pandemic has caused significant damage to the country's economy, and in this regard, the social sphere has also suffered. Rising unemployment, the closure of shops (other than food) and services, falling demand for small business products, and the collapse of tourism are all standard consequences for every country. The Russian economy has been hit hard by a several-fold drop in oil prices. The peculiarity of the situation in Russia was that the state had accumulated a solid financial reserve in the form of the National Wealth Fund. Reserves were formed mainly from the revenues of the gas and oil industry. In this June, the Fund accounted for about 10 % of GDP, in dollar terms it is more than 170 billion dollars. The Russian Ministry of Finance believes that the Fund will last until 2024. It was from this reserve that state support for businesses and citizens was provided. Since the beginning of the pandemic, families with young children, especially unemployed parents, have received significant surcharges; then payments began for all children under 16. All-time high salaries have been established for medics and social workers who come in contact with the sick people. Huge amounts of money have been spent on building and refurbishing medical facilities. Tax and other benefits were given to socially responsible businesses. These and other drastic measures have mitigated the negative effects of the pandemic, which would otherwise have been catastrophic. The country's administration believes that the losses are relatively small. But the way out of the crisis involves a change in the development strategy, namely a sharp activation of advanced intellectual technologies and industries.

3-Did russian's economic and social difficulties also affect higher education students in 2020?

Perhaps the only significant difficulty for students was the cost of networking with their universities. Since full-time attendance was canceled in most cases, many students left for their home cities and countries, particularly China. Teachers received their full salary, so there were no staff cuts, and students received the entire workload, adjusted for distance communication.

4. What educational policies have educational institutions received in the face of the contingencies caused by the pandemic in Russia?

Several principles should be mentioned in this area. First, a certain focus on continuing the learning process without interrupting or stopping it. Second, the Federal authorities have given regions and universities the right to choose their own strategies and forms of work. Accordingly, a motley variety appeared. Third, interactive methods have been given priority, which to some extent compensate for the lack of direct communication. Fourth, measures were taken to protect the lives and health of students and staff as much as possible. For this purpose, face-to-face sessions, meetings and ceremonies have been converted to an online format. Thus, the graduation papers defense was held at a distance, no matter how difficult it was to organize it.

5. An outcome message for this interview to be shared with Brazilian society?

The pandemic has led to the physical isolation of countries and peoples. At the same time, it has helped to improve mutual understanding between peoples. If a great misfortune has happened in your country, you feel sympathy for people on another continent who are in similar trouble, and you know for yourself how hard it is for them. The told directly refers to the relations between Russia and Brazil. This mutual understanding must be maintained when we overcome the cursed pandemic.

 

 

 

Fonte: Dr. Sergey G. Korkonosenko (Universidade de São Petersburgo / Rússia)