Cefas Carvalho

29/01/2020
 
Filmes premiados de 2019 abordam tensão entre classes e contradições do Capitalismo
 
Três dos melhores filmes do ano, "Parasita" (vencedor em Cannes e indicado a 6 Oscars), "Coringa" (vencedor em Veneza e indicado a 11 Oscars) e "Bacurau" (Prêmio do Juri em Cannes) abordam o tema da Guerra de Classes, que muita gente diz que não existe, que é um anacronismo, coisa do passado etc e tal.
 
Em "Parasita", os ricos, ou elite econômica, digamos, ignoram (até ingenuamente) a situação dos pobres.
 
Em "Coringa", essa elite político-financeira tem desprezo pelos pobres.
 
Já em "Bacurau", para essa elite os pobres sequer são seres humanos, mas animais para ser abatidos.
 
Nos três filmes a parte de baixo se revolta - e de forma violenta - contra a parte de cima.
 
Um filme da Coreia do Sul, outro dos EUA e o terceiro do Brasil.
 
Parece claro que algo de errado está acontecendo com o Capitalismo, na verdade, com a Sociedade, seja na potência, no tigre asiático ou no nosso pobre país tropical.
 
(Isso porque eu nem assisti o francês "Les miserables" e nem me detive no inglês "Eu, Daniel Blake")