Petroleiros fazem manifestação contra venda de refinaria da Petrobras

18/02/2021


 

A Petrobras anunciou a conclusão da venda da refinaria aos Emirados Árabes por US$ 1,65 bilhão, metade do valor avaliado, segundo a Federação Nacional dos Petroleiros (FNP). Os petroleiros analisam que a venda é um processo de desmonte da Petrobras e ameaça a autonomia energética de entrega de combustíveis do Norte e Nordeste.

Mais cedo, a Petrobras aumentou o preço do diesel e da gasolina pela segunda vez este mês. A partir desta sexta-feira (19), o litro do diesel vai ficar R$ 0,3305 mais caro e o da gasolina vai subir R$ 0,2262. Este é o quarto reajuste no preço da gasolina e o terceiro no valor do diesel desde o início do ano. Desde o início de janeiro, o litro da gasolina nas distribuidoras acumula alta de 34,78%. Já o do diesel subiu 27,7% no mesmo período.

Veja a nota da FNP na íntegra:

Nesta quinta-feira (18/02), Dia Nacional de Lutas, bases da FNP realizam uma série de protestos, atos, assembleias, atrasos e paralisações contra a privatização da Refinaria Landulpho Alves (RLAM). A mobilização também ocorre nas bases da FUP. 

A Petrobrás anunciou a conclusão da venda da refinaria no último dia 8 ao fundo Mudabala Capital, dos Emirados Árabes, por US$ 1,65 bilhão, metade do valor avaliado. 

A venda é um grande passo no processo de desmonte da estatal, ameaça a autonomia energética da região e entrega o mercado de combustíveis do Norte e Nordeste nas mãos de uma única empresa, criando monopólio privado.

É preciso unidade da categoria petroleira contra toda e qualquer privatização. A venda de ativos afeta a todos os trabalhadores da Petrobrás e à população brasileira, que a cada dia sofre mais com a alta dos combustíveis. 

FNP deliberou
Vale lembrar que as bases da FNP estão realizando assembleias desde o dia 13/02, conforme deliberado em reunião.

Fonte: Congresso em Foco