Luiz Gomes

24/06/2018

 O mundo está mudado, esta plugado, e as pessoas ligadas nas redes digitais.  É neste ambiente de extrema modernidade que se disputará as eleições esta ano.

Apenas prometer não vale, a política mudou, as pessoas mudaram a forma de ver os políticos e o jeito de atingir o público, agora é outro: Web é a nova arena da democracia, onde as pessoas têm a Informação e formam opinião. A visibilidade do candidato e, essencialmente, a sua credibilidade e suas propostas precisam ganhar a confiança e a simpatia dos eleitores. Saber quais sentimentos movem as decisões políticas de cada cidadão passa a ser essencial.

Dentro da democracia eletrônica a ojeriza aos políticos é uma certeza, e aqueles que estejam envolvidos em ambientes de improbidade e corrupção terão muitas dificuldades para conversar e convencer aos internautas eleitores reais. Ademais, não é só falar, mas mostrar honestidade e competência serão essenciais, fichas limpas terão discursos mais aceitáveis.

Assim, muito mais, continua ainda fundamental o fato de que quanto mais e melhores idéias, mais o candidato terá condições de ser divulgado pelo boca à boca ou pelas redes sociais como Facebook, Twitter, Instagram, YouTube, etc“. Expor de forma clara e bem explicativa quais são seus projetos e metas, e como vai fazer para colocá-las em prática, assim como quando, com que meios, torna-se parte do convencimento.

A verdade é que não dá para disputar mais nenhuma eleição sem fazer o uso pleno da internet, a troca de idéias via sistemas cibernéticos é a mais veloz e com maior efeito no mundo real.

Certamente o candidato que conhece a realidade da sua região e sabe quais problemas e sabe o que dizer e como fazer, so tem a ganhar neste novo cenário. Especialmente se tiver estratégias do corpo a corpo aliada com bom uso das ferramentas de comunicação digital.

O marqueteiro Bem Self, da Agência BlueStateDigital, que fez as campanhas de Obama, disse: “A tecnologia não deixará ninguém atraído por uma pessoa que não seja interessante”.  

O escritor do livro “Eleições na Era Digital” J.Tiradentes, ampliou o sentido  dizendo que além de interessante precisa ter conteúdo, saber o que dizer  e saber se comunicar. Cientificamente já constatado que as ações que mexem no emocional da pessoa sempre tem maior efeito propagador.

Assim, podemos dizer que o corpo a corpo moderno pode ser ampliado ou adequado, sempre visando chegar aos corações das pessoas, ainda pela via eletrônica. Acredito que o sentimento de reprovação aos desmandos administrativos, a improbidade, a corrupção, e a desmoralização da classe política ganhou contornos nunca antes vistos.

Neste ambiente que nomes novos e com clareza de propósitos, aliado a seriedade de posicionamento político, pode exercer a credibilidade e confiança do eleitorado, mexendo o coração e sentimentos na hora do voto.

Luiz Gomes
Advogado
Doutorado em Ciências Sociais e Jurídicas