Luiz Gomes

25/10/2018
Cidadania precisa de oxigênio ético, moral e politico
 
Ao longo da história, o ser humano tem buscado arduamente equilibrar suas relações com os demais seres humanos, motivo pelo qual foram se estabelecendo critérios norteadores das regras de comportamento em sociedade civilizada. 
 
Alguns valores humanos ocidentais foram herdados de filósofos da antiga Grécia, tal como Aristóteles e Platão e dos juristas romanos, sendo que a justiça é um desses respectivos valores. Os filósofos deram ao termo justiça o sentido ético e formal.
 
Os princípios fundamentais de Direito também são as grandes orientações da ordem positiva jurídica e as novas constituições promulgadas acentuam a hegemonia axiológica dos princípios, convertidos em pedestal normativo sobre o qual assenta todo o edifício dos novos sistemas constitucionais democráticos. Questionados no debate político das eleições brasileiras.
 
Eis que o grande processo de reestruturação da economia global, com a mundialização do capital vem trazendo desequilíbrios na organização e estrutura dos países em todo o planeta. Ademais, influenciando todo o sistema jurídico, político, econômico e a soberania dos países, na medida em que nasce como condicionante ao desenvolvimento à minimização de normas de alcance social.
 
Nestes tempos de debates políticos nacionais e internacionais, mudanças profundas de pensamentos médios da sociedade tem se alterado em face da reorganização da economia e das políticas sociais em todo mundo. No brasil, surpreendentemente estamos presenciando o caminho do Fascismo com a anuência da sociedade revoltada com as falcatruas de uns partidos, entendendo que este é o caminho para ceifar a corrupção.
 
A sociedade amornecida e cética com os escândalos políticos e gerencias do estado, questiona a própria evolução social baseada na valorização do primado constitucional da democracia e cidadania, incrivelmente admitindo a tentativa de temperamento dos valores intrínsecos dos princípios fundamentais de valorização da dignidade humana, desenvolvida pelos entes envolvidos no processo político.
 
Destarte, é neste diapasão que não se pode deixar de constatar as atuais manifestações midiáticas e sociais, que diante de enfrentamentos politiqueiros se deixar levar pela leviandade de discursos persuasivos e vazios de conteúdo democrático e tornar permissivo atitudes, outrora banidas  do víeis autoritarista e fascista, aceitando a encenação do ódio como ferramenta de convencimento eleitoral.
 
  O respeito a civilidade e as regras normativas, como ferramentas de hermenêutica que deve ter nos nossos tribunais constitucionais, missão de servir como escopo para coibir a brutalidade das relações civil e políticas. 
 
A Cidadania brasileira precisa de oxigênio ético, moral e político para suportar as grotescas agressões aos direitos sociais e dignidade humana, e possa compreender as tendências desenhadas nos discursos, extraídas do passado de cada interlocutor neste momento de decisão para os destinos do Brasil.
 
Precisamos renovar nossos caminhos de luta na defesa da Democracia e das liberdades, conquistadas com suor e sangue de muitos brasileiros, a reverberar em todos lugares nossos protestos que ecoem para ver assegurada a Liberdade de pensamento e valorização e o respeito à dignidade humana, baseada em princípios fundamentais das República Federativa do Brasil, que tem como base solida o Estado democrático de Direito, sendo inviolável o respeito as instituições democráticas e a Constituição cidadã.
 
Viva a democracia.
 
Liberdades sem nenhum passo atrás.